• A Escola

  • Ensino

  • Parcerias

  • Matrícula
  • Fique por dentro

  • Área do aluno

  • Área do responsável


“... aprender não é um ato findo. Aprender é um exercício constante de renovação”

Publicado em 14/08/2009

A INTERPRETAÇÃO DE MAPAS TEMÁTICOS NO ENSINO DE GEOGRAFIA COMO FORMA DE ANÁLISE E COMPREENSÃO DA REALIDADE

Tainá Guimarães Ricardo Lemos

Profa. de Geografia

 

 

“... aprender não é um ato findo. Aprender é um exercício constante de renovação”

Paulo Freire

 


Pensar e compreender o real através das ações é essencial para a leitura e entendimento do mundo real. A observação, a percepção, a análise conceitual e a síntese através das representações cartográficas possibilitam pensar significativamente o conhecimento do espaço geográfico. É possível perceber que o estudo da linguagem cartográfica vem, cada vez mais, reafirmando sua importância desde o início da escolaridade. O estudo das representações cartográficas contribui não apenas para que os alunos compreendam os mapas, mas também desenvolvam capacidades relativas à representação do espaço. Os alunos precisam ser preparados para que construam conhecimentos fundamentais sobre essa linguagem, como pessoas que representam, codificam o espaço e como leitores das informações expressas.

 

Ao estudar a regionalização do espaço geográfico mundial, os alunos do 8° ano aprofundaram o conhecimento a partir da análise de mapas temáticos e os interpretam de forma mais consistente, com o objetivo de compreender melhor a realidade através das informações contidas em cada ambiente de reflexão proposto em sala de aula. Foi possível abranger a compreensão do mundo pelas entrelinhas de uma mapa, ou seja, informações contidas, mas não tão perceptíveis a primeira análise,  mas que foram sendo reveladas com a sobreposição de mapas e com os conhecimentos teóricos para o embasamento do estudo.

 

O foco principal do estudo foi o nível de desenvolvimento dos países, no qual diversos mapas foram estudados como: renda per capita, países do norte e sul, IDH (que introduziram a análise). A partir desse estudo preliminar sobre as características do desenvolvimento e subdesenvolvimento, pode-se aprofundar e correlacionar mapas de diferentes temas, e de extrema relevância para este estudo, como a mortalidade infantil, consumo de energia, fluxos migratórios, e seu relacionamento com a qualidade de vida da população e as condições econômicas dos países.

 

A cartografia tornou-se importante na educação contemporânea, tanto para atender as nossas necessidades, quanto para estudar o ambiente em que vivemos. Aprendendo as características físicas, econômicas, sociais e humanas do ambiente, podendo entender as transformações causadas pela ação do homem e dos fenômenos naturais ao longo do tempo.

 

A função principal do mapa no mais amplo sentido é a comunicação, que vem sendo beneficiada com o surgimento dos sistemas de multimídias, com inúmeras possibilidades de interação e interatividade. Nenhum mapa impresso consegue mostrar todos os aspectos de uma região. Mapas em contraposição, fotos aéreas e dados de satélite podem mostrar muito mais do que apenas o que pode ser visto. Podem mostrar, por exemplo: concentração populacional, diferentes níveis de desenvolvimento social, concentração de renda, entre outros.

 

Cada mapa possui um objetivo específico, de acordo com os propósitos de sua elaboração, por isso, existem diferentes tipos de mapas. O mapa temático deve cumprir sua função, ou seja, dizer o que, onde e, como ocorre determinado fenômeno geográfico, utilizando símbolos gráficos especialmente planejados para facilitar a compreensão de diferenças, semelhanças, além de possibilitar a visualização de correlações pelo usuário.

 

No ensino de geografia, a utilização de mapas temáticos é favorável e torna-se indispensável para conhecer o espaço geográfico. A visão reduzida do território, proporcionada pela visão de cima, pela redução de escala e linguagem gráfica convencional, é tão importante que os mapas acabam fascinando a todos que dominam esse conhecimento.

 

Uma pessoa com o embasamento geográfico ideal é aquela que domina as noções de espaço, de direção, e que percebe o meio em que vive e sabem como se relacionar com a sociedade e espaço em que está inserida, sendo que a cartografia desempenha o papel de importante ferramenta no desenvolvimento dessas habilidades.

 

Cabe à Geografia levar os alunos a compreenderem o espaço no qual estão inseridos, bem como sua participação nesse meio.

 

“... aprender não é um ato findo. Aprender é um exercício constante de renovação”

Compartilhe:

 

 

Visitas: 4289



ENTRE EM CONTATO

Segurança de armazenamento de dados.

Site seguro
https://cepc.com.br/ https://cepc.com.br/

Unidades

CEPC - Vila Velha
CEPC Aracruz